domingo, 18 de novembro de 2007

CMV - Citomegalovírus

O tal post que me tinha proposto a escrever sobre este malfadado vírus.
Chama-se Citomegalovírus, abrevia-se CMV e é da família da varicela.
Tanto quanto sei (aliás, todo este post é com base nas coisas que tenho lido sobre o cmv, não tem, portanto, nenhuma base científica) este vírus, quando contraído, não causa grande "mossa " a quem o contrai, a menos que tenha o seu sistema imunitário comprometido. Já li algures que cerca de 80% dos americanos quando chegam aos 40 anos já contraíram este vírus. Portanto é um vírus muito comum. É normal contraí-lo mais cedo ou mais tarde durante a vida. É provável que a seroconversão seja assintomática ou que provoque uma espécie de gripe mais ou menos ligeira.
O problema está quando quem o contrai pela primeira vez (primo-infecção) está, como já referi, com um sistema imunitário deficiente, ou - meu caso - grávida. Este vírus tem a capacidade de atravessar a placenta e atingir o feto em gestação que ainda não tem defesas suficientes para o combater. Segundo estatísticas que li, cerca de 60% das infecções primárias por CMV em grávidas não passam para o ambiente intra-uterino, contra 40% que passam (meu caso). Essa transmissão é confirmada por amniocentese que, nestes casos, só deve ser feita depois das 22 semanas de gestação para evitar falsos negativos uma vez que o vírus é de transmissão lenta.
Tendo-se confirmado a transmissão do vírus para o feto, existem entre 75% e 80% de hipóteses de este não ficar afectado contra 20% a 25% de hipóteses de estar afectado com sequelas normalmente graves. Pelos vistos entre as mais comuns está a surdez (está aliás provado que o CMV congénito é a maior causa de surdez não hereditária), mas também a paralisia cerebral em vários graus, cegueira ou outros problemas visuais, epilepsia, atraso mental, etc.
No caso concreto da gravidez, li que existem menos de 2% de hipóteses de uma mulher fazer uma primo-infecção por cmv na gravidez. Pelos vistos é um fenómeno menos comum que as infecções por toxoplasmose ou rubéola e deve ser por isso que ninguém lhe dá muita atenção. Por outro lado também já me disseram que pelo facto de não haver tratamento aprovado para primo-infecções por cmv na gravidez não está indicado o seu rastreio pré ou pós concepcional. No entanto, há muitos obstetras privados que pedem esta análise juntamente com as restantes. O problema é que se se detectar que houve seroconversão durante a gravidez (que ainda por cima só pode confirmar infecção fetal após amniocentese a partir das 22 semanas) não há grande coisa a fazer, a não ser interromper a gravidez.
Esta história da interrupção da gravidez é polémica de qualquer das maneiras. Mas sempre pensei que não o era tanto quando se tratavam de razões médicas. O drama é que mesmo quando se confirma infecção fetal, ainda existem 75% de hipóteses do bebé não estar afectado. Parece muito não é? Mas quem chegou aqui já calhou nos 2% de hipóteses de fazer uma primo-infecção na gravidez (!!) e também já calhou nos 40% de probabilidades de transmitir o vírus ao bebé. Depois disso tudo, 25% parece um risco altíssimo, principalmente quando pensamos que os piores casos são crianças que não ouvem, não vêem, não falam, não andam e passam toda a vida numa cama eventualmente alimentadas por tubos (os piores casos). Os casos menos graves podem ser apenas surdez, por exemplo.
Pelos vistos não há grandes conclusões quanto à correlação entre a gravidade das sequelas e o tempo de gestação em que ocorre a seroconversão. A minha foi no primeiro trimestre, o que parece logo mais grave uma vez que o feto ainda tem poucas células que se vão multiplicar. Ora se estas células forem afectadas então todas as que elas darão origem estarão igualmente afectadas e as consequências poderão ser gravíssimas. Mas também já me disseram que quando a infecção ocorre no primeiro trimestre se pode aplicar a lei do tudo ou nada: ou a afecção é tão grave que o feto nem sequer sobrevive (morte intra-uterina / aborto espontâneo) ou pura e simplesmente não afecta o bebé.
Seja como fôr, isto faz com que a gravidez seja um drama (perdoem-me aqueles que vivem dramas de outras proporções - mas sabemos que tudo o que sentimos na vida é relativo). E por isso já me perguntei vezes sem conta porque é que ninguém me avisou, porque é que não tive mais cuidado, porque é que engravidei, porque é que não esperei mais uns 6 meses, porquê?
O que é que eu não sabia que podia ter sabido, o que é que eu não fiz que podia ter feito:


1º - é necessário saber se se é ou não imune ao vírus antes de engravidar. Da mesma maneira que o sabemos relativamente à toxoplasmose ou à rubéola. Na verdade nunca se é totalmente imune ao cmv, mas se já o tivermos contraído antes, corremos apenas o risco de ter uma re-infecção contra a qual as nossas defesas agirão com uma eficácia completamente diferente do que acontece numa primo-infecção. Em conseqência disso, o risco de infecção fetal também é infinitamente menor.

2º - sabendo que nunca se contraíu esse vírus antes devemos estar avisados, especialmente se pretendemos engravidar, que corremos um risco, ainda que pequeno, de o contraír pouco antes ou durante a gravidez.

3º - se, além de não sermos imunes, tivermos filhos pequenos (menos de 3/4 anos) que estiverem no infantário ou em contacto com outras crianças pequenas ou se nós próprias, não tendo filhos, estivermos em contacto frequente com crianças pequenas, fazemos definitavemnte parte de um grupo de risco. Este vírus, nos infantários, assume proporções epidémicas, tanto quanto li, portanto é normal que as crianças o contraiam durante o primeiro ano de infantário, principalmente se estiverem naquela idade de trocarem brinquedos que metem na boca constantemente.

4º - apesar de ser difícil, é necessário ter cuidados redobrados de higiene no que respeita à troca de fluídos com estas crianças, filhos ou não. Nomeadamente na troca de fraldas, beijos, secreções nasais, banho, troca / partilha de colheres e copos durante as refeições, etc etc.

5º - Fazendo parte do grupo de risco, há sempre a hipótese de adiar a gravidez durante uns tempos na expectativa de fazer uma infecção por cmv num curto espaço de tempo, ou deixar, por exemplo, que o filho entretanto cresça um pouco mais, reduzindo ele próprio as probabilidades de contrair o vírus.

Eu não sabia nada disto. E devia ter sabido.

Acabei por descobrir - graças à maravilhosa partilha de informação que nos permite a internet - dois médicos pediatras que se dedicam ao estudo da infecção congénita por cmv ao longos dos últimos 20 anos. Têm acompanhado a minha gravidez por email, sugerindo algumas terapias que, apesar de experimentais, poderão eventualmente resultar. Eles são o Prof. Stuart P. Adler (Departamento de Pediatria, Doenças Infecciosas, Virginia Commonwealth University) e o Prof. Giovanni Nigro (Departamento de Pediatria, Universidade de L'Aquila, Italia). Desenvolveram um estudo sobre a administração de hiper imuno globulina anti cmv durante a gestação como forma de combater o vírus. A terapia é experimental mas o estudo tem resultados encorajadores. Submeti-me a esse tratamento no Hospital de VNGaia, e, tanto quanto me disseram, fui a primeira grávida a fazê-lo em Portugal. O Prof. Adler publica uma série de conselhos relativamente à prevenção do CMV a consultar em
http://www.vcu.edu/pediatrics/research/cmv.html
Acho que era isto que eu queria dizer. Pode ser que alguém leia antes de engravidar, pode ser que faça a diferença, mesmo que nunca se saiba se fez ou não.


46 comentários:

  1. olá. cheguei aqui pelo meu sitemeter. parabéns pela coragem.
    sei que não é fácil expor estas coisas na blogosfera. espero que tudo corra bem.

    ResponderEliminar
  2. Pois eu cheguei aqui através do blog paidopedro...desejo muito que tudo não passe unicamente de um susto! Achei extraordinária a quantidade de informação que expõe no seu blog,com base na sua experiência, sobre um tema infelizmente pouco conhecido!Tenho a certeza que ajudará muitas (potenciais)grávidas! Que tudo corra bem.
    Obrigada,
    Ana
    www.nascerprematuro.org

    ResponderEliminar
  3. Eu tb cheguei pelo blog do pai do Pedro e tb eu passei uma gravidez muito atribulada depois das 25 semanas, mas por motivos diferentes dos teus. No nosso caso mostrava ventriculomegália muito ligeira , e consideraram uma variante do Normal...mas infecções...nada.
    Percentagens ouvi-as todos os dias...Parabéns pela coragem de te expores. vou dar o link do blog a alguém que está a passar pelo mesmo que tu. E desejo que tudo não passe de um valente susto. m beijo

    ResponderEliminar
  4. Isto da blogosfera dá muito que falar, bem, vou-me apresentar, sou a mãedopedro e depois do paidopedro ter escrito o post referente ao teu caso e à tua gravidez, vieram uma série de memórias e apesar do grande problema que é estares grávida com uma infecção por cmv, considero-te uma sortuda por haver alguma resposta técnica para combater esse odioso virus e muito corajosa por procurares soluções. Eu tive a sorte de NÃO SABER e penso que isso foi muito importante para o Pedro, enquanto grávida, embora saiba que se soubesse, na altura da minha infecção, teria feito tudo para encontrar uma solução clínica, de forma a combater o vírus. Um conselho de mulher para mulher, se decidiste ter um filho, mesmo sabendo muito acerca do que é estar grávida e ser portadora de uma infecção po cmv e teres avançado para soluções clínicas de combate ao vírus, GOZA a tua gravidez e depois logo se verá, o caminho de educar uma criança normal ou menos normal é um desafio enorme e é durante as nossa vidas. Depois, bem depois também estamos nós "os teus amigos da blogosfera". Um beijo Emília.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada a todos pelas mensagens.
    É engraçado ver os autores dos blogs que leio tantas vezes a comentar o meu. É definitivamente é bom ter feed back do que tenho vindo a escrever nas últimas semanas.
    Um obrigado especial aos paisdopedro, desta vez à maedopedro pelo conselho. Depois do primeiro choque e de uns tempos em que andei "desligada" da barriga, agora tenho tentado gozar esta última fase da gravidez que é - sinto-o pela 2ª vez - realmente um estado de graça, digam o que disserem!
    Bom fim de semana a todos.
    Mada

    ResponderEliminar
  6. Mada

    O conselho da mãe do Pedro é de longe o mais sábio (e olha que ela é uma mãe experiente). Apesar de o resultado final não ter sido o que ansiava, consegui curtir minimamente a gravidez e agora só me dá saudades...devia ter aproveitado melhor...
    E por isso curte muito...muito. Num instante vai chegar ao fim e terás muitas saudades, não é mesmo ?
    Vai correr tudo bem.

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  7. Olá Mada

    Também eu cheguei aqui pelas "mãos" do pai do Pedro.
    Estive a ler e a reler o teu blog e achei bastante positivo a abordagem que fizeste sobre o CMV.
    Já estive grávida duas vezes e tenho a dizer-te que pouco sabia sobre este vírus.

    Bem vinda ao mundo virtual e continua a escrever, pois certamente ajudarás mais pessoas do que pensas.

    E agora como dizem a Grilinha e a Mãe do Pedro....goza e goza muito a gravidez da tua menina.

    Beijinhos

    Cláudia, Madalena e Guilherme

    ResponderEliminar
  8. Olá.... Cheguei aqui através do blog do pai do pedro. Espero que os vossos medos não se concretizem e que tudo não passe de um susto.

    Beijos grandes
    Maguy+Gu+Raul

    ResponderEliminar
  9. Olá...
    Sou uma futura mãe de Janeiro...
    Foi-me diagnosticado o Citomegalovirus com 26 semanas de gestação...com primo de infecção durante o início do 2º trimestre...
    A ansiedade cresce semana a semana...
    Não fiz amniocentese...
    Não sei se o meu bebé está infectado com esse malvado virus...
    O controlo ecográfico (que tem sido exaustivo) não tem revelado alterações fetais...mas claro...existem sequelas que nunca poderão ser observadas "in utero"...
    Vim aqui por uma amiga...
    Gostei de ler o seu testemunho...
    E espero que esse tratamento possa trazer benefícios para o seu bébé...
    Bjs.
    M.

    ResponderEliminar
  10. Olá Mari,

    Naturalmente que lamento a sua infecção por CMV, mas fico feliz que tenha deixado o seu comentário e penso que nos poderemos acompanhar mutuamente nestas últimas semanas de gravidez.
    Se não fez amniocentese, é até bastante provável que a infecção não tenha passado para o bebé, e que, portanto, ele esteja completamente livre de vírus. Temos que acreditar nisso.
    Vou visitando o seu blog e espero que continue a visitar o meu. Assim, mantemo-nos informadas.
    Um grande beijinho e muita força.
    Mada

    ResponderEliminar
  11. sou do brasil e cheguei a seu blog pelo google, acabei de descobrir q estou com cmv, após fazer uma bateria de exames que minha nova ginecologista recomendou antes de engravidar. Estava tentando engravidar já a 4 meses e a outra ginecologista não me pediu nenhum exame!!! graças ao bom deus eu resolvi tesgtar outra já que não estva 100% feliz com esta e me veio este resultado. Estou bastante preocupada mas ao mesmo tempo aliviada de saber antes de engravidar, minha duvida é como saber se não contrairei novamente durante a gravidez!!! Boa sorte com sua filha e que existam novos tratamentos que ajudem vocês. Abs

    ResponderEliminar
  12. olá chamo-me Susana e cheguei ao seu blog pelo google, estou gravida de 12 semanas, e foi atraves umas análises pedidas por uma médica particular, que me detectaram a persença desse virus no sangue, ainda não recebi o resultado do exame que vai dizer se a infecção foi contraída antes ou durante a gravidez! Estou muito ansiosa, e quanto mais pesquiso na net mais assustada fico! Boa sorte e um Bebé perfeitinho e com muita saude é o que desejo.

    ResponderEliminar
  13. Oi Mada,

    As vezes as estatísticas nos acalmam, as vezes nos preocupam. O que importa é que se no fim o bebê não é afetado isso passa a ser 100% de uma resposta positiva e se ao contrário tem alguma sequela passa a ser 100% de uma resposta negativa. Vale a pena sofrer por antecipação?! A única coisa que sei é que isso não fará bem a criança nem a nós. É por isso que tento me abstrair das probabilidades e levar uma gravidez mais feliz já não há nada mais que eu possa fazer. Estou de 6 meses de gravidez, provalvelmente fui infectada com CMV com 21 semanas. Um beijo para ti diretamente do Brasil (São Paulo) e espero sinceramente que teu bebê esteja bem, 100% bem!
    Samantha Balbueno

    ResponderEliminar
  14. Oi Parabéns e Obrigada pelo relato!!
    Eu quando decidir engravidar, fui ao médico e ele passou uns exames e o resultado deu positivo para citomegalovirus... estou um pouco nervosa, mas ainda não levei ao medico... acho que estou sem coragem de engravidar!!
    bjo

    ResponderEliminar
  15. Olá Danielli,

    É preciso primeiro distinguir o que é um resultado positivo para CMV. Ter uma infecção em curso, tanto quanto sei, implica ter IgM positivo. Se tiveres um IgG positivo e um IgM negativo significa que estás praticamente imune ao vírus (ainda que, em alguns casos, possa haver reinfecção).
    Seja como for, mesmo que tenhas uma infecção activa, só deves ficar contente por isso ter acontecido antes de engravidares e sobretudo por teres detectado. O que há a fazer agora é esperar uns meses - o teu médico to dirá - até que seja seguro engravidar.
    Não há que ter medo!!
    Beijinhos e boa sorte.
    Mada

    ResponderEliminar
  16. Oi, estou me preparando para engravidar. Tenho 37 anos e já sei que pertenço àquele grupo de risco pela idade. Após alguns exames, descobri tem sou portadora do citomegalovirus, não mostrei o resultado à minha médica e estou preocupada, então começei a ver a buscar informações na Internet e li o seu relato. Gostaria de agradecer a contribuição e saber se o seu bebê está bem, como foi toda a gestação, enfim algo que me dê esperanças, pois isso de fato assusta bastante. Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Olá!Estou grávida de 23 semanas e só na semana passada soube que tal como a Mada sofri uma primo-infecção por cmv...
    A minha obstetra marcou imediatamente uma amniocentese e estou, neste momento, à espera do resultado... são dias que parecem intermináveis... sinto-me um pouco perdida pois não sei mesmo o que fazer caso a infecção tenha passado para o bebé...
    Mas é um dilema tão grande... mesmo tendo sido infectado, existem probabilidades de estar tudo bem...Eu quero acreditar que está tudo bem, que isto não passará de um grande susto... mas não consigo deixar os pensamentos "e se...???"
    Compreendo tudo o que a Mada escreveu e contou e de certa forma partilho a dor que sente.
    Gostaria que me informasse dessa terapia experimental à qual foi sujeita, pois não pretendo desistir da minha Francisca... obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Estou a passar por essa situação agora. 23 semanas e só soube a semana passada que tinha o igm positivo, apesar de estar negativo no início da gravidez. Estou muito ansiosa, o tempo não passa. Se Deus quiser também vai ser uma Francisca. Espero que a sua filhota de 8 anos seja saudável e feliz.

      Eliminar
  18. Olá. Mais uma futura mamã que se junta ao "clube da angústia" diária de ter uma primo infecção por CMV. Quando soube que estava infectada, fiquei aterrorizada. Comecei logo a pesquisar. Sou profissional de saúde (profissão de risco) e mesmo assim, pouco ou nada sabia sobre o CMV. Aguardo o resultado da amniocentese, mas já estou com 25 semanas. Agora, a única coisa que posso fazer é acreditar que não vai acontecer nada.
    Gostava de saber mais sobre o tratamento que efectou. Os resultados que teve. Como entrou em contacto com os referidos clínicos.
    O QUE POSSO FAZER??????

    ResponderEliminar
  19. Ler o seu relato hoje, me fez relembrar tudo q passei na minha gravidez ... angústia, ansiedade, desespero ....
    Espero q seu bb esteja bem!
    Sem conhecimento, só descobri qdo já estava gravida nos exames de rotina, nem sabia q esse virus existia ... o médico me levou a loucura, chegou a sugerir um aborto ... Eu estava com 41 anos e essa gravidez era muito desejada, qto mais eu me informava, mais louca ia ficando ... chegou um determinado momento q resolvi esqueçer, o q eu poderia fazer????
    Hoje, minha Sofia já completou 1 aninho de idade, linda, maravilhosa, esperta, inteligente ... Não sei se ainda pode acontecer alguma coisa, nem sabia q podia contaminá-la pelo leite, ela mama até hoje...
    Eu só não sei se era uma primeira infecção, qual o exame q detecta isso??? Fiz tanto q cheguei ficar tonta e por fim cada dia sabia menos a respeito da doença.
    Com 8 meses de vida, a pediatra resolveu pedir o IGG e IGM da minha bb, o resultado foi IGG inferior a 2 e IGM não reagente.
    Com toda a sua experiência e informação, vc poderia me dizer o q significa esse resultado? Ela teve ou não contato com esse vírus??? A pediatra queria q eu fizesse uma tomografia p ver possivel dano neurológico ... eu não fiz, não acreditei nisso. Será q pelo fato de eu amamentar ainda coloco a minha bb em risco?
    Desejo mesmo q esteja tudo bem com vcs.
    Um grande abraço
    Bianca
    biancasalles@ymail.com

    ResponderEliminar
  20. OLÁ AMIGA.....ACHO QUE TE ENTEDO UM POUCO, SOU FARMACÊUTICA BIOQUIMICA TENHO 33 ANOS E 1 FILHO DE 2 ANOS , ESTOU GRÁVIDE DE 11 SEMANAS, E DESCOBRI QUE ESTOU COM CITOMEGALOVIRUS DE FORMA AGUDA, O QUE FAZER ?? DEVO TER ME CONTAMINADA NAS 5 PRIMEIRAS SEMANAS, SEI QUE ESTOU PASSANDO UMA FAZE DESESPERADORA, ANGUSTIANTE DO QUE FAZER !!
    MINHA MEDICA FALOU ALGUMA COISA SOB TRATAMENTOS COM IMUNOGLOBULINAS É ESTE QUE SE SUBMETEU??? QUAIS FORAM OS RESULTADOS ??? COMO ESTÁ SEU BEBE??
    TEM ALGUM ARTIGO SOB ESTE TRATAMENTO, SOU DO BRASIL E AQUI NIMGUÉM SABE MUITA COISA,,,,TE ACHEI NA INTERNET, VOCÊ PODE ME AJUDAR ESTOU MUITO CONFUSA SABE !!!
    VOCÊ TEM TELEFONE DE ONDE PEDIR ESTE PRODUTO???
    PASSA TANTA COISA NA CABEÇA DA GENTE, DIANTE DE TAL PROBLEMA ....ME SINTO IMPOTENTE !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou com o mesmo problema.
      Como correu com você?
      Conta para aliviar meu coração.
      Obg

      Eliminar
    2. Olá minha esposa está passando por isso, no cartão do pré natal da primeira gestação ela era imune. Agora está na segunda gestação e deu que está com o virus em estágio reagente, corre o risco de contaminar o bebê?

      Eliminar
  21. ESTE RECADO ANTRIOR É MEU.
    ADELAIDEJG@POP.COM.BR

    ResponderEliminar
  22. Mada,

    Com uns anos de atraso, mas quero agradecer este post...Estou de 11 semanas e depois de ter feito as 1as análises normais, ligaram-me do hospital para uma nova colheita de sangue para voltar a fazer o teste do CMV. Ainda sem saber sequer o resultado desta primeira análise e/ou o motivo da repetição, tenho neste momento em curso nova análise ao CMV e já também o teste de avidez. É arrepiante ler a maior parte da info que circula na net sobre o CMV e este post ajudou-me muito não só a ficar esclarecida como também a ter esperança de que, como consigo, tudo corra bem.

    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como correu.
      Estou a precisar pq tb tou c o msm prob.

      Eliminar
  23. Sou profissional de saúde e estou a par deste grave mas solucionável problema. O Centro de Saúde de Vila Nova de Gaia é de facto o único em Portugal a fazer este tratamento. Fica aqui o contacto: prenatal@chvng.min-saude.pt, Dr. Francisco Valente

    ResponderEliminar
  24. oi me chamo Ana carolina tenho 21 anos e tenho essa doença quando eu nasci minha mae me disse que tiveram que as pressas encontra um doador pra eu fazer uma transfusão de sangue que por sinal foi realizada com sucesso. sai do hospital depois 22 semanas pesando 1 kilo e pouco, os meses foram se passando e minha mae foi vendo que eu tinha atrasso em algumas coisas como andar , comer , falar pegar ela conta que fui andar pela primeira vez com 3 anos os medicos dizem que quase nao fiquei com seqüela nenhuma apenas uma labirintiti diferente e meus dentes tortos e frageis e sou meia devagar pra pensar ou fazer algumas coisas mais fora isso sou uma garota normal com problemas normais saio me divirto , namoro , e as vezesate esqueço que tenho essa doença ... minha mae me contou que quando nasci tinha mais 3 crianças com essa mesma doença e apenas 1 sobreviveu:EU. dizem que peguei essa doença pq minha mae engravidou aos 15 anos eu nao sei se isso é verdade ou nao ... mais enfim resolvi da meu depoimento aqui só pra saber que nem sempre essa doença pode deixar alguem em uma cama sendo um semi vegetal . beijos espero que meu depoimento a ajude em alguma coisa .

    ResponderEliminar
  25. Ola tava com 16 semanas quando fiz o exame de avidez que deu IGG positivo IGM negativo e indise de avidez duvidoso. Alguem já teve essa experiencia tou com mt medo pois ainda falta quase um mes para fazer a amnisontese e não sei se estive infectada durante a gravidez ou depois nem sei se o meu bebe ta infectado ou nao. Alguem passou por uma experiencia igual a minha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por favor, diga como correu.
      Estou com o mesmo problema.
      Obg

      Eliminar
  26. Olá, meu nome é Beatriz, tenho 24 anos, estou com 9 semanas e acabei de descobrir que peguei pela primeira vez esse virus. Estou muito assustada e tentando me alegrar pelas chances altas do meu bebê não ser infectado. Mas é muito difícil. Gostaria de poder fazer alguma coisa, me sinto ipotente em não poder fazer nada para proteger meu filho dentro de mim. Aqui no Brasil todos os médicos dizem q não há o q fazer somente acompanhar a gravidez com milhares de exames que na verdade não me darão certeza de nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como correu?
      Tb tou a passar por isso!
      Ajude.

      Eliminar
  27. Gostaria de dizer a todas as mães que passam pela angústia do CMV atacar o bebe: há alguém maior que tudo que pode ajudar vc! Entregue nas mãos DELE! Não é fácil conviver com a incerteza, mas entregue e creia que Ele vai curar todas as feridas!

    ResponderEliminar
  28. olá Ana eu também sou Ana... descobri agora depois de uma aborto, pois o bebe deixou de desenvolver, e sendo eu teimosa insisti em fazer exames e descobri que não sou imune a a Rubéola, toxoplasma e citomegalovirus, bom agora queria engravidar outra vez, mas como deves imaginar estou cheia de medo... Será que podiamos falar por email, para me falares um pouco mais da tua historia e do que poderei eu fazer...
    Beijinhos o meu email é ric2ana@hotmail.com

    ResponderEliminar
  29. Olá,

    Acabei de ter a confirmação pelo Teste de Avidez que fui infectada pelo CMV no primeiro trimestre da minha gravidez.
    Estou extremamente alarmada e preocupada.
    Encontrei esse post e achei um dos mais sensatos e sinceros.
    Gostaria muito de conversar melhor contigo sobre toda essa angustia.
    Estou com 12 meses e marquei minha amnioscentese pra próxima semana.
    Estou ainda sem saber o que fazer, o q pensar e com quem contar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como correu.
      Ajude -me. Estou c o mesmo problema.

      Eliminar
  30. Muito útil seu post. Realmente ficamos mto preocupadas com tudo e qq coisa q possa interferir na vida de nossos filhos (nosso sonho). Acabo de ter uma gestação interrompida no seu primeiro mes, nos exames descobri q sou portadora desse vírus, e concordo com vc no sentido de planejamento e busca de informações com antecendia, pois n há nada pior q essa culpa do pq? Mto triste, mas tbm com fé, pois agora posso tratar do problema de forma correta. Deus sabe o q faz!

    ResponderEliminar
  31. Boa noite,
    Parabéns pela iniciativa, sugiro que veja a pagina https://www.facebook.com/pages/conversas-de-mim-para-ti/111966455493574?bookmark_t=page

    Aqui relato a minha atribulada gravidez, num misto de sentimentos, que variam com a mesma intensidade entre a alegria e a angustia...
    Onde me agarro à mínima esperança, transmitindo valores que acho serem importantes para a boa formação de uma criança.

    “Pois ninguém pode possuir um nascer do sol, assim como ninguém pode possuir uma tarde de chuva a bater na vidraça, ou a serenidade que uma criança a dormir espalha em seu redor, ou o momento mágico das ondas a rebentar nas rochas.
    Ninguém pode possuir o que existe de mais belo na terra – mas podemos conhecer e amar, pois o Amor move montanhas e através dele, Deus mostra-se aos homens…”

    Paulo Coelho “Brida”

    Também contrai CMV na gravidez... passe por lá e dê uma olhadela.
    O meu objectivo é ajudar o maior numero de mães, que estejam a passar por uma gravidez igual.

    Conto com a sua ajuda.

    Obrigada,

    Patrícia Sousa

    ResponderEliminar
  32. Boa tarde!

    Meu nome é Ana e em Agosto do ano passado realizei uma FIV que nao progrediu, porém este mês antes de transferir embriões congelados medico solicitou exames complementares que indicaram reagentes para IGG e IGM citomegalovirus. Fui direcionada a especialistas infectologistas antes de prosseguir tratamento. Gostaria de entrarem contato com médicos que vc mencionou de Portugal que por serem especialistas no assunto podem responder mais assertivamente ser há riscos dos embriões congelados estarem infectados. Vc tem email para contato?
    Grata,
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obteve resposta?
      Como correu.
      Tb preciso dessa informação.
      Obg

      Eliminar
  33. Olá tive um aborto espontâneo no final do ano (durou apenas 15 dias desde o dia que descobri a gravidez até o dia que sangrei "sangue vivo"). O primeiro sinal de aborto(sangue borra de cafe) começou logo após sintomas parecidos com uma gripe bem forte. Um mês depois a pediatra do meu filho de 3 anos, comentou que poderia ter sido CMV, que pode causar aborto no inicio da gravidez e que pose ter sintomas parecidos com gripe. Hoje 3 meses depois do aborto fiz exames de sangue e meu IgG para CMV deu alterado e o IgM normal...ou seja é bem provavel que tenha sido a causa do emu aborto....mas estou pronta pra outra...noa vou desistir de ter mais filhos....força pra todos nós!!!!!!!!!!Abraços!!

    ResponderEliminar
  34. meu filho nasceu com infecçao congénita por cmv aqui em Portugal só eu sei o que é minha esposa foi acompanhada por 2 médicas no centro de saúde de são João do Estoril e nenhuma delas pediu o exame para minha esposa......

    ResponderEliminar
  35. Olá a todos,
    Infelizmente não tenho uma estória bonita para partilhar, mas tal como a autora deste post tenho uma tal indignação por esta falta de informação que acho importante partilhar.
    Interrompi a minha gravidez faz hoje 2 semanas, às 24, quase 25 semanas. Acreditei por instantes que não seria um dos 2%, mas a verdade é que a minha bebé foi infectada e apresentava sintomas graves, intestino dilatado (razão que nos levou a fazer amniocentese às 23 semanas) e por fim restrições de crescimento e várias calcificações no cérebro. Tenho dias que ainda me parece mentira, mentira sobretudo o facto de o meu médico sabendo que eu tenho uma filha com 18 meses a frequentar o infantário nunca me disse, ao menos, para ter alguns cuidados que eu efectivamente não tive. É demasiado cruel ir fazer uma ecografia de rotina às 23 semanas e sermos confrontados com isto. Entendo que causa ansiedade saber de uma infecção no início de uma gravidez, mas acreditem que vermos tudo a acontecer de horrível em apenas 2 semanas é inexplicável.
    Efectivamente soube de tudo isto no hospital de Gaia, inclusivé do tratamento, mas que no meu caso eles próprios disseram que já era tarde de mais. Sim, é um tratamento experimental, mas eu preferia ter sabido de toda esta informação antes, quando ainda podia ter experimentado e ao menos hoje sentir que tinha feito alguma coisa para salvar a minha bebé, pois agora tudo o que resta é dor e um sentimento de culpa.
    Desejo a todas as mães/pais/casais muita força e que na maioria não passem de sustos.
    Um grande abraço
    Natacha

    ResponderEliminar
  36. Olá!! Gostei muito d tudo. E eu tive resultados positivos pra rubéola e citomega e foi me sugerido pela UFTM em Uberaba/MG um ciclo de 21 dias d duas aplicações intra venoso de Glanciclovir. Foi confirmado o diagnóstico depois de uma amniosentese e hoje faz dois dias q encerrei meu tratamento. SEGUNDO a equipe médica não há mais o q fazer pois dizem não haver nada catalogado sobre o tratamento de tal Vírus. Estou d 30 semanas e todos os exames fetais como ultrassom e Cardiotoc tem mostrado um desenvolvimento físico normal de minha filha. Estou em buscá de pessoas q tiveram respostas positivas que já vivenciaram para troca d idéias. Eu sinto que ainda há algo à ser feito se alguém souber por favor m informem. katiuce-elizza@hotmail.com

    ResponderEliminar